Ir para Conteúdo Principal | Ir para Menu Principal

Caminho Livre para a inclusão do Deficiente Visual

 

A lei de cotas facilita o ingresso do deficiente visual no mercado de trabalho?

Publicado em 21/08/2011 por Irene De Barros Pereira em Discutindo a Deficiência com 18 comentários

Iniciando descrição da imagem...Foto mostra em primeiro plano uma mão segurando uma carteira de trabalho na cor azul. Em segundo plano ao fundo, uma balança, símbolo que representa a justiça e equivalência. Iniciando texto...

A Lei nº 8.213/91 (Lei de cotas), define as regras das cotas para deficientes no mercado de trabalho, ou seja, há regras, aliás, uma lei que define o que empresas privadas e públicas devem fazer em relação ao espaço que se deve reservar aos deficientes.

Essa reserva não é para ser feita como um favor, mas sim porque somos pessoas com capacidades e habilidades como outro ser humano qualquer.

Cito especificamente a lei de cotas por uma razão bem pertinente: é através do trabalho que somos inseridos na vida social, ou seja, é através da atividade econômica que nos tornamos independentes para viver a vida com tudo o que ela nos oferece dentro desse mercado de consumo.

Objetivamente falando, qualquer indivíduo com ou sem deficiência só pode vislumbrar um futuro para si a partir do seu próprio sustento, que se dá repito, através do trabalho. Veja, não estou falando de carreira porque normalmente esta, só consegue se tornar realidade depois de vários outros trabalhos que o indivíduo realiza com a intenção de se preparar para a carreira escolhida.

Os avanços

A lei de cotas foi criada com o objetivo de fomentar a oportunidade de trabalho para os deficientes. De 1991 para cá, muito se avançou e isso é inegável. Por outro lado, três questões se destacam:

  • A primeira é a necessidade de se fazer uma lei para que pessoas com necessidades especiais possam mostrar suas capacidades, competências e habilidades;
  • A segunda é que nós, os deficientes visuais, somos a minoria dentre as pessoas com deficiência a serem contratadas. As empresas preferem contratar deficientes físicos, especificamente aqueles com bastante mobilidade, para justamente fazerem poucas adaptações no local de trabalho. E na pequena fatia desse bolo dos deficientes visuais contratados a maioria é baixa visão, seguindo o mesmo critério pelas empresas na hora da contratação;
  • A terceira é o fato concreto de que algumas empresas inclusive grandes contratam deficientes, em particular os visuais, apenas e tão somente para o cumprimento das cotas. Não há investimento para o acolhimento desse pessoal, não há preparo dessas pessoas para as empresas específicas.

Empresas Cegas

A busca do lucro faz com que essas empresas sejam mais cegas do que aqueles que estão contratando. Essa atitude não lhes permite "ver" que antes de ser cego, o deficiente visual é uma pessoa que pensa, adquire conhecimento transformando tudo isso em competências e habilidades como qualquer indivíduo. Essa cegueira e a falta de inteligência dos que administram tais empresas, marginalizam pessoas que poderiam com o seu trabalho dar o mesmo retorno que os demais funcionários.

O lucro imediato impede que essas empresas invistam nos funcionários deficientes visuais. Algumas contratam e tratam o funcionário como um objeto mobiliário mesa, cadeira, etc. Outras contratam e usam esses funcionários como "laranjas", ou seja, os funcionários são contratados, registrados, recebem o salário (normalmente mínimo) mas não trabalham na empresa, ficam em casa.

Você aceitaria?

Para alguns deficientes pode parecer um grande negócio afinal, recebem para ficar em casa, olha que maravilha! Não é meu papel julgar, mas esse suposto emprego não desenvolve uma carreira dentro da empresa nem tampouco prepara o indivíduo para o mercado de trabalho fora dessa empresa e a menos que a pessoa use esse tempo para adquirir conhecimento e preparo, não há desenvolvimento pessoal e nem social.

Afinal, empresas e deficientes perdem a possibilidade da interação social que se traduz em troca de um aprendizado que não se consegue nas instituições de ensino ou naquelas voltadas para o deficiente. Isso só é possível na convivência pessoal e diária em situações onde haja a diversidade, é nesse momento e nessa convivência que a inclusão acontece de fato. Então pensando na humanidade, na sociedade, e no indivíduo, você que está lendo este artigo aceitaria uma situação como essa?

Você aceitaria ser um "laranja", ganhando seu salário para não aparecer na empresa, em troca de sua sociabilização? Você aceitaria abrir mão dos seus direitos como cidadão em prol do seu sustento econômico?

Na minha opinião...

Me colocando no lugar de quem não tem trabalho e precisa ter um salário para contribuir com o pagamento das contas da casa (ou porque precisa ter um mínimo de independência econômica, afinal, até quando podemos depender dos pais, dos filhos, ou dos benefícios do governo?), acredito que a lei de cotas facilita o ingresso do deficiente visual no mercado de trabalho. No entanto, as distorções por parte das empresas na aplicação da lei, e do outro lado a falta de preparo do deficiente visual, fazem com que a lei de cotas seja uma brincadeira de faz de conta. A empresa faz de conta que contrata e o deficiente faz de conta que trabalha.

Atualmente, tenho um emprego temporário e por isso me fiz a seguinte pergunta: quando terminar o prazo do meu trabalho e tiver que arcar com minha cota nas despesas da casa e sem ter trabalho, eu aceitaria uma situação como a que acabei de descrever neste artigo?

Pensando sobre isso, me dei conta de que a inclusão ou exclusão se faz pela atitude de cada indivíduo, das empresas e da sociedade como um todo. É o SER do indivíduo e do povo de um país que faz a diferença. É cultural na sociedade brasileira, tratar o diferente como algo que podemos fingir que não existe, ou pior, somos politicamente corretos e aceitamos tudo, desde que não seja conosco, ou que não tenhamos que nos envolver, ou, que aquela diferença seja cuidada por outros, e não importa como.

Não me importo que as empresas usem desse artifício, o que me incomoda é que elas não assumem isso, por outro lado, se assumissem esse papel, ou seja, pagassem mas não incluíssem, nós deficientes passaríamos a ser eternamente os coitadinhos, pois teríamos um salário, mas estaríamos exclusos da vida do trabalho para sempre.

E só para não deixar dúvidas, penso que a lei de cotas tem a intenção de inserir o deficiente no mercado de trabalho e por consequência incluí-lo na sociedade. Na medida em que as coisas forem feitas com vontade, seriedade, verdade, humanidade e naturalidade, não tenho dúvida de que a lei de cotas será o que ela se propõe, ou seja, um facilitador para os deficientes, promovendo a inclusão que tanto sonhamos.


Aproveite e dê uma olhada nesses artigos também:

Compartilhe:


Ícone Comentários

18 Comentários

Foto da pessoa que comentou

Irene Poeta disse em:

21/08/2011 - 15:24:21

Olá, pessoal!!

Oi, chefe, a imagem ficou ótima!!! VALEU!!!!

Abraço a todos


Foto da pessoa que comentou

William disse em:

22/08/2011 - 17:45:02

A Lei de cota é um mal necessário. Ainda o Brasil não criou uma consciência para perceber as capacidades que uma pessoa pode ter, é necessário uma lei para obrigar os empresários contratar, num outro momento, esta obrigatoriedade não será mais necessário e aí não teremos mais necessidade de uma lei.
Vamos torcer e mais do que isso lutar por esta mudança.
Um abraço William


Foto da pessoa que comentou

Celina Mendes disse em:

02/09/2011 - 21:24:17

Olá pessoal
Parabéns pela discussão em torno desse assunto e lamento muito que as empresas, quando contratam um deficiente visual, queiram apenas cumprir a lei, pois nunca estão preparadas e não fazem a mínima questão de fazê-los, simplesmente jogam o DV e que ele se vire até não aguentar a situação de ficar se sentindo inútil e pedir demissão. Meu filho é DV e já passou por várias empresas e acaba saindo por se sentir inútil.


Foto da pessoa que comentou

Irene Poeta disse em:

10/09/2011 - 14:56:20

Olá, pessoal!
Esse é um dos meus medos, ficar numa empresa e ser companheira dos móveis. Precisamos saber como agir efetivamente pra que essa situação mude e a informação, a formação, a discussão e reflexão sobre os fatos, são caminhos que nos levam às mudanças.

Grande abraço a todos.


Foto da pessoa que comentou

Tabatita disse em:

19/12/2011 - 10:31:43

Acho a lei de cotas sem sentido nunhum.
Sou deficiente visual, estou registrada a 2 anos quase,mas nem me pergunte o que eu faço...Eu fuco em casa no PC e só vou 1 vez na empresa o mes todo,Adivinha para que....Assinar a folha de pontos...
Me perdoem mas tem gente nessa mesma empresa que tem deficiencia que não iria interfirir em nada atuar com alguem sem deficiencia e esses é que trabalham afinal não tem que fazer adaptações e nada e é mais facil assim.

Estou em casa e nenhuma outra empresa me contrata...
SE EU ESTIVESSE QUERENDO GANHAR EM CASA IA ATRAS PARA RECEBER DO INSS.


Foto da pessoa que comentou

Irene de Barros disse em:

23/12/2011 - 20:39:33

Olá, pessoal!

Confesso que desde o princípio desse artigo, não foi tarefa fácil escrever sobre esse assunto sem parecer que estou tomando partido de um dos lados, como disse no prórpio artogo tudo depende do lado em que se está, daquilo que se pretende e da força que se tem para a escolha que se fizer.

É triste, aliás, é doloroso perceber o quanto o ser humano não é HUMANO, pois a partir do momento em que ele trata outro ser humano como objeto, como um ser de segunda categoria, percebe-se o quanto este ser humano em particular é PEQUENO.

Por outro lado, qual a nossa atitude pra que as coisas sejam diferentes? Acho que precisamos refletir sobre isso.

Abraços e feliz natal a todos!!!


Foto da pessoa que comentou

Irene Poeta disse em:

15/01/2012 - 09:29:10

Olá, pessoal!

Antes de mais nada, feliz ano novo a você internauta que nos acompanhou ao longo de 2011. Tenha neste ano, que logo, logo ficará velho, muita saúde e paz.

Quero informar sobre uma matéria que vi no jornal da Cultura no dia 13 de janeiro, sexta-feira deste ano. O jornal destacou a denúncia de uma deficiente, não especificaram qual a deficiência, sobre duas empresas, uma delas multinacional.

Motivo da denúncia: ela foi contratada para trabalhar na área administrativa e tudo o que fazia, era artesanato. Segundo ela, nunca fez parte do setor administrativo de nenhuma das empresas.

Hoje contratada e rabalhando na áre administrava de outra empresa, ela resolveu denunciar as duas empresas.

A confusão está armada, vamos ver quais providênicas resultarão disso. O importante é que algo está mudando e o engraçado é que eu só soube dessa matéria no jornal da Cultura, alguém mais viu em outro telejornal? Acho que cabe novamente a pergunta qual a nossa atitude diante de tudo isso?

Grande abraço a todos.


Foto da pessoa que comentou

elton disse em:

22/03/2012 - 16:44:00

Em torno desse assunto e lamento muito que as empresas, quando contratam um deficiente visual, queiram apenas cumprir a lei...
E eu acho que este tipo de forma e inutil para essas impresa quer apenas compri a lei de cotas e nem olha o quanto a pessoas com deficiencia tem a capacidade maior que muitas outras pessoas que nen tem nenhuma deficiencia e as que tem tentam fazer tudo que e possivel para trabalhar sem se preocupar coma lei de cotas


Foto da pessoa que comentou

sonia disse em:

24/03/2012 - 21:31:56

estou trabalhando em uma empresa estou fazendo de tudo para trabalhar de igual para igual, nao adimitirei ser um laranja nessa empresa sei que sou capaz alvez ate mais que muitos que estõ la , nao adimitirei descriminação . abraços e força a todos


Foto da pessoa que comentou

Irene Poeta disse em:

04/04/2012 - 10:49:40

Olá pessoal!!!

O intuito de propagar informações e escrever sobre aquilo que nos diz respeito, é sem dúvida, criar um espaço para reflexão e discussão.
A partir daí, tomar consciência e transformar como vocês estão registrando aqui nesse espaço que é de todos.
Parabéns aos que lutam e aos que ainda não têm forças, animem-se, estudem, façam cursos, enfim, façam tudo para que não haja desculpas pra que esse tipo de coisa continue acontecendo.

Abraços e força a todos!!!


Foto da pessoa que comentou

Patrícia disse em:

16/10/2012 - 16:05:13

Boa noite Irene.

Vc ainda acompanha o site? Farei meu TCC na faculdade de Direito acerca da inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho e gostaria de trocar umas idéias, se possível.

Desde já, obrigada!


Foto da pessoa que comentou

Irene Poeta disse em:

22/10/2012 - 10:08:07

Bom dia, Patrícia!
Antes de mais nada, me perdoe pela demora em responder seu recado, já não estou tão presente como gostaria, mas estou aqui.
Podemos conversar sim e se for de alguma ajuda, isso me deixará muito feliz.

Meu e-mail no site é: irene@movimentolivre.org, eu responderei com o maior prazer e a partir daí vamos conversando e decidiremos se e o que é preciso, está bem?


Foto da pessoa que comentou

Jhonatan Silva disse em:

22/04/2013 - 11:32:28

A ideia de que o deficiênte (seja qual for sua patologia) de se sujeita a um 'laranja' é completamente absurda, sendo que antes da deficiência existe uma pessoa capaz de efetivar qualquer tarefa e assim conquistar seu lugar como cidadão na socedade como um todo.


Foto da pessoa que comentou

Fabiana disse em:

22/04/2013 - 11:33:34

Nossa é um absurdo as emprezas contratar DV e pagar um salario para a pessoa ficar em casa por que nois temos capacidade de trabalhar como qualquer pessoa claro que temos algumas limitações mais isso não impede agente de exercer uma profissão para isso tem osrecursos para nos auxiliar.


Foto da pessoa que comentou

luis fernandoe disse em:

22/04/2013 - 11:36:06

Concordo, plenamente com a opinião
do editorial ; E na minha opinião os deficiêntes visuais devem ser protagonistas a essa
mudança !
As empresas não tem a informação e tanbém não querem conhecer a capacidade do deficiênte, pois só visam lucros e mais lucros .


Foto da pessoa que comentou

Marli Adi disse em:

22/04/2013 - 13:38:40

Para mim a lei de cotas se faz necessária para que nós ,pessoas com deficiência, consigamos ter acesso ao mercado de trabalho. Pois apesar de termos conciência de nossa capacidade, sabemos que os empregadores jamais dariam vaga para uma pessoa com deficiência por vontade própria, já queo preconceito existe, e para ser bem realista, as pessoas não acreditam que somos capazes. Tanto que muitas empresas se eximem da responsabilidade de nos colocar como funcionários capacitados e simplesmente querem nos contratar sem função alguma, apenas para cumprir a lei. O que nos faz parecer inválidos, quando somos de grande valia, independente de nossas limitações, e podemos cumprir tarefas tão bem , e porquê não dizer até melhr que pessoas consideradas "normais"?.


Foto da pessoa que comentou

Silmara Pinheiro disse em:

17/10/2013 - 12:06:59

Olá, Irene, tudo bem?

Estou relaizando meu TCC e o tema será A Inserção do Portador de Deficiencia no Mercado de Trbalho, e tenho algumas dúvidas para a realização do trabalho,seria possível falar com você?
Poderia me passar o seu email?

Muito obrigada!


Foto da pessoa que comentou

Irene de Barros disse em:

18/10/2013 - 16:57:14

Oi, Silmara!

Estou tentando entrar em contato com você, mas infelizmente meu computador por alguma razão que eu, é claro não sei explicar, não está me deixando.

Se tiver um pouco mais de paciência, vou tentar novamente mais tarde ou amanhã, se não conseguir, peço pro pessoal do site te enviar meu e-mail, está bem?

Não vou colocar o meu e-mail aqui pra evitar alguma situação que saia do meu controle. Mas fique tranquila que nos comunicaremos em breve.

Grande abraço



Ícone Comente

Deixe seu comentário

Preenchimento obrigatório

Preenchimento obrigatório

Preenchimento opcional

Preenchimento obrigatório

Ir ao topo